sábado, 6 de outubro de 2018

outro dia

PATTERSON

Para Jim Jarmush

Os poemas são como o mundo: não rimam. Voltam, desaparecem, tentam dizer o peso da água ou o aroma ténue da cerveja. São uma trela no escuro, depois de termos queimado todos os fósforos. Escrevemos, num caderno vazio, a palavra ausência. Talvez amanhã seja outro dia.

em SHOTS, de Manuel de Freitas