quarta-feira, 19 de julho de 2017

Tens razão L., há quem faça das coisas simples, as mais belas. Não que tivesse dúvidas, mas tenho dado por mim distraída. De manhã na paragem, olhei a senhora, varredora da câmara municipal, a fazer o seu trabalho com um brio irrepreensível e onde cabe agora, na perfeição, Llorca: conheci um homem que varria e lavava telhados e clarabóias, por galanteio ao céu. Não diria melhor. O trabalho também se faz com fé no amor. De fé no amor. Para a fé no amor.